terça-feira, 29 de setembro de 2015

Corrupção combatida no Maranhão



A prefeita ostentação, Lidiane Leite, presa ontem pela Polícia Federal é apenas mais um entre os casos de corruptos presos no Maranhão. O caso da prefeita de Bom Jardim, assim como outros, tem sido emblemáticos para o fim da impunidade para aqueles que cometem crimes de desvio de verbas públicas no Maranhão.
Na semana passada, outro acusado de crime de corrupção foi preso no Maranhão. Ex-secretário de Roseana Sarney, João Abreu é acusado de receber R$ 3 milhões em propina do doleiro Alberto Youssef. Outro peixe-grande que, acusado de desvios de verbas da Saúde, teve seus bens bloqueados pela Justiça Federal foi o ex-secretário de Roseana Sarney, Ricardo Murad.

Envolvidos em esquemas de agiotagem e agiotas há muitos anos conhecidos e denunciados, mas nunca punidos pelos seus crimes usando verbas públicas, foram presos e respondem a processo por desvio do dinheiro do povo do Maranhão. É o caso, por exemplo, do conhecido agiota Pacovan – que foi preso no início do ano e, com ele, inúmeros documentos e dinheiro vivo foram apreendidos.
Responsáveis pelo desvio de mais de R$ 34 milhões do dinheiro da Educação do Maranhão também tiveram seus bens bloqueados no caso Univima. Durante dois anos, no governo Roseana, uma verdadeira quadrilha se especializou em fraudar um sistema educacional e faturar alto em cima do dinheiro que deveria ser investido em Educação. Em duas etapas, a operação Cayenne prendeu os envolvidos e apreendeu bens como casas, carros de luxo, joias e quadriciclos usados nos Lençóis Maranhenses.

São fatos emblemáticos que mostram que a certeza da impunidade para os poderosos é uma realidade que vai ficando para trás no Maranhão.

Um comentário:

  1. O desembargador Ze Luiz Almeida, anti Sarneyzista radical, acaba de conceder habeus corpus a João Abreu.Nao viu motivo para prisão. Decisão dele é incontestável. Um dos desembargadores mais corretos e justo do TJ. Roseana deve tá pulando de alegria agora ..

    ResponderExcluir

Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.