quarta-feira, 30 de setembro de 2015

Governo capacita servidores para manusear detectores de metal em presídios do MA



O Governo do Maranhão promoveu o treinamento de mais de 40 servidores penitenciários para o correto manuseio de equipamentos detectores de metais em presídios do estado. A capacitação ocorreu na Escola de Gestão Penitenciária (Egepen) da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Sejap).

Os equipamentos foram doados pelo Departamento Penitenciário Nacional (Depen) e fortalece a política de humanização nas prisões adotada pelo governo Flávio Dino. Ao todo, foram entregues quatro tipos de equipamentos pelo órgão do Ministério da Justiça, 39 banquetas, 91 raquetes, 15 pórticos e três esteiras de raios-X. A ideia é estabelecer um modelo de revista mais humanizada.

“Impedir a entrada de objetos ilícitos nos presídios é uma das questões prioritárias da gestão e, certamente, o uso deste tipo de suporte precisa ser otimizado. Entretanto, outra preocupação é evitar a revista vexatória, para que o processo de humanização comece desde a visita dos familiares dos internos”, destacou o secretário Murilo Andrade de Oliveira.

Treinamento

A capacitação aconteceu por meio de aulas teóricas e práticas. Os servidores, em dois dias de atividades, foram instruídos ainda em procedimentos de segurança interna. Um dos equipamentos mais fáceis de ser manuseado colocado em treinamento foi a “raquete”. Ela é capaz de identificar por meio de um sinal sonoro, um “bip”, a presença de metal no corpo humano.

Outro tipo de equipamento apresentado aos servidores foram as banquetas. Como o próprio nome sugere, são espécies de bancos que detectam metais introduzidos nas partes íntimas, quando o revistado nela senta. Já os pórticos, conhecidos como portais, são estruturas para as passarelas e, quando detecta o metal, o alarme soa, impedindo o acesso a partir do local de inspeção.

Diferente dos demais equipamentos, a esteira de raios-X não é para detectar metais em pessoas, mas objetos proibidos levados dentro de sacolas, bolsas e similares. Para o diretor da Egepen, Fabiano Cavalcante de Oliveira, o treinamento realizado com os agentes penitenciários representa mais um investimento da atual gestão no sistema penitenciário estadual.

“A capacitação destes servidores contribui, sem dúvida, para um sistema prisional mais seguro e humanizado, pois são esses servidores as pessoas que lidam diretamente com os internos, e assim, é essencial para o sistema este investimento na capacitação profissional”, afirmou Cavalcante, que agora coordena a distribuição dos equipamentos para as unidades prisionais do estado.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.