Governo do Maranhão

Governo do Maranhão

terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

Governo apresenta atualização do ‘Protocolo de vigilância e resposta à ocorrência de microcefalia’


Secretário de Estado da Saúde,Marcos Pacheco;ao lado da neuropediatra Jucélia Ganz e da coordenadora do
Centro de Informações Estratégicas da Vigilância em Saúde,Jakeline Rios,durante coletiva. 
Na tarde desta segunda-feira (22), a Secretaria de Estado da Saúde (SES) realizou coletiva de imprensa para falar da versão atualizada do ‘Protocolo de vigilância e resposta à ocorrência de microcefalia’ lançado pelo Ministério da Saúde (MS) no último dia 18.

Na nova versão do protocolo, o Ministério da Saúde atualizou os critérios para a confirmação dos casos de microcefalia em decorrência do Zika Vírus, que agora são dois - critério físico: quando o exame físico constate que a medição do perímetro cefálico (PC) do bebê for igual ou inferior a 32 centímetros; critério clínico-radiológico: exame de imagem que apresente alterações sugestivas de infecção congênita.

Na ocasião, também foram apresentados os números de casos de microcefalia notificados, descartados, confirmados e em investigação no Maranhão, conforme a atualização do Protocolo do MS.

O secretário de Estado da Saúde, Marcos Pacheco, explicou sobre os procedimentos adicionais, após a notificação da microcefalia. “Após a notificação de cada criança nascida com perímetro cefálico igual ou inferior a 32cm, nós estamos realizando entrevistas com as mães para saber se durante a gravidez houve algum sintoma do Zika Vírus e os exames de imagens da criança para a confirmação, que podem ser a ultrassonografia transfontanela até os três meses de idade ou a tomografia computadorizada”.

A neuropediatra Jucélia Ganz, coordenadora do Núcleo Interdisciplinar de Neurodesenvolvimento, Assistência e Reabilitação (Projeto Ninar) da SES, desenvolvido no Hospital Infantil Dr. Juvêncio Mattos, ressaltou a assistência que as crianças com microcefalia estão recebendo do Estado. “Todas as crianças com microcefalia no Maranhão estão recebendo a assistência necessária. Os bebês estão sendo cuidados por pediatras e neuropediatras, além da equipe multidisciplinar formada por assistentes sociais, enfermeiros, fonoaudiólogos, terapeutas ocupacionais, psicólogos, fisioterapeutas, entre outros”, explicouJucélia Ganz.

Ampliação dos serviços

Será inaugurado no próximo dia 14 de março, o Serviço Especializado em Neurodesenvolvimento e Acolhimento de Crianças (Senda), que ocupará o primeiro andar do prédio da antiga maternidade Benedito Leite, no centro de São Luís.

O Senda reunirá todos os tratamentos ofertados pelo Governo do Estado aos bebês com microcefalia e também às suas famílias, em um mesmo local, para ampliar os serviços e agilizar os procedimentos necessários para o tratamento.

Dados Atualizados

Segundo os critérios estabelecidos, até esta segunda-feira (22), no Maranhão, de acordo com o Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos (Sinasc), o total de casos notificados de microcefalia de 2015 a 2016 é de 181.

Destes, 16 foram descartados (devido a mudança estabelecida pelo Ministério da Saúde em dezembro de 2015, que alterou de 33cm para 32cm o tamanho do perímetro cefálico). Foram confirmados 14 casos de microcefalia, restando 151 casos sob investigação no Maranhão em 65 municípios.

Dos casos apresentados, 51 mães tiveram sintomas do Zika Vírus em algum período da gestação.

Os municípios com casos confirmados são: São Luís (4), São José de Ribamar (1), Apicum Açu (1), Paço do Lumiar (3), Mata Roma (1), Colinas (1), Presidente Dutra (2) e Presidente Vargas (1).

Dentre os casos apresentados, ocorreram dois óbitos: São José de Ribamar (1) em dezembro de 2015 e Pedreiras (1) em fevereiro de 2016.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.