Governo do Maranhão

Governo do Maranhão
Envie informações,denúncias para: vauney-10@hotmail.com ,(99) 9 8137 5569 / 91793374 ou 8416 7976, sua informação será analisada e depois poderá se tornar matéria.

segunda-feira, 17 de abril de 2017

As dez maluquices do delator Carvalho contra Flávio Dino





Do Marrapá

Ele deu a senha, mas não sabe a senha. Ele diz que deu o dinheiro, mas não sabe quem deu o dinheiro. Ele diz que comprou, mas não levou. Ele diz que são R$ 400 mil, mas depois viraram R$ 200 mil. Esses são algumas das afirmações sem pé nem cabeça feitas pelo ex-executivo da Odebrecht José de Carvalho Filho na acusação contra Flávio Dino.

O delator Carvalho disse que acertou o pagamento de R$ 400 mil a Dino em 2010, quando este era deputado federal, em troca de apoio a um projeto sobre proteção de investimentos brasileiros em Cuba.

Mas é difícil achar algo que faça sentido na acusação. Carvalho já vem sendo chamado de “o delator maluco”. Veja abaixo dez maluquices que ele falou:

1 – Errou logo de cara: Flávio Dino não é o autor do projeto.

2 – Cadê a ajuda? Flávio Dino foi relator da proposta, mas nem chegou a dar um parecer sobre ela. Ou seja, não mexeu em nada do projeto.

3 – O impossível: o delator Carvalho afirma que, ao deixar a relatoria, Flávio Dino prometeu indicar um aliado para a função. Mas quem indica os relatores é o presidente das comissões, cargo não exercido pelo então deputado.

4 – Comprou, mas não levou? O delator Carvalho admite que nunca procurou o substituto de Dino na relatoria, o deputado Chico Lopes. É como se alguém tivesse pagado um produto caríssimo e nunca ido buscar.

5 – Ficou difícil: Chico Lopes, o novo relator, também nunca deu um parecer sobre o projeto.

6 – Sem chance: o projeto foi arquivado um mês e meio após a designação do novo relator.

7 – Ruim de matemática: inicialmente foi dito que Dino teria recebido R$ 400 mil em 2010. Depois, passou-se a dizer que foi metade em 2010 e metade em 2014.

8 – Cadê o dinheiro? o delator Carvalho diz que os R$ 200 mil pagos em 2014 foram legais e registrados, dados ao comitê financeiro do candidato. Mas não há nenhum valor de R$ 200 mil nos repasses do comitê para Flávio Dino naquele ano.

9 – Complicou geral: o delator afirma que ele mesmo deu uma senha para Dino receber o dinheiro, mas não consegue dizer que senha era essa.

10 – Coisa de doido: Ele diz que pagou, mas também não sabe dizer quem teria efetuado o pagamento e como isso teria sido feito.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.