Governo do Maranhão

Governo do Maranhão

quinta-feira, 13 de abril de 2017

Estudantes se mobilizam para manter escola limpa depois de reforma RS




As salas de aula eram muito quentes, a gente não conseguia se concentrar, as paredes estavam quebradas e os banheiros eram ruins de usar também.” A descrição de Wend Naelly da Silva, de 14 anos, detalha as condições da Unidade Integrada Maria José Aragão antes da reforma trazida pelo Programa Escola Digna, do Governo do Maranhão.

Localizada no bairro da Cidade Operária, em São Luís, a unidade atende atualmente 996 estudantes do Ensino Fundamental e Médio. Apesar do cuidado da comunidade escolar com o prédio, os 16 anos sem qualquer reforma ou melhoria pesavam nas condições de aprendizado dos estudantes.

Aqui, à tarde, o sol batia e eles ficavam inquietos. Agora, além de estar tudo mais limpo e mais claro, eles prestam mais atenção na aula”, conta o professor de Química e Educação Física Silvio Matos, mostrando as condições da nova sala de aula.

Ressaltada por alunos e professores da unidade, a relação entre aprendizado e infraestrutura escolar é também alvo da literatura acadêmica. Além de autores como Joaquim José Soares Neto (2013), que publicou estudos detalhando medidas para avaliar a questão, outros recentes estudos da Fundação Getúlio Vargas apontam, por exemplo, que as escolas com baixo desempenho no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) apresentam condições precárias de convivência.

Do total de instituições com resultados ruins em matemática em 2016, 62,40% não tinham acesso à rede pública de esgoto; e 15%, à água. Na Maria Aragão, problemas estruturais foram resolvidos. “Foi feito o serviço de retelhamento, de troca de forro de todas as salas de aula, da parte elétrica, reforma completa dos banheiros, pintura e limpeza”, diz o gestor da unidade, Wilson Chagas.

Apesar do cuidado que os alunos, professores, todos nós tivemos com a escola, estava precisando muito. E os estudantes, principalmente, estão muito felizes com essa mudança”, acrescenta.

Zelo

Com a etapa de finalização da reforma, realizada neste mês, os estudantes não demoraram em cuidar do prédio. De forma voluntária, eles coletaram pneus e, com a ajuda de um profissional, participaram de um projeto de jardinagem da escola.

Além disso, eles mesmo ajudaram na arrumação das salas, da escola, estão ajudando a recuperar o acervo da nossa antiga biblioteca e essa reforma veio trazendo isso, confirmando o cuidado que já tinham com a escola, agora estão muito mais orgulhosos”, conta o professor Wilson.

Wend, que ajudou a arrumar o novo jardim, conta que sempre foi engajada nas atividades para manutenção do ambiente escolar. “A escola é um ambiente sagrado e por isso acho que a gente tem que cuidar”, afirma.

Escola Digna

Além da reforma e da reconstrução de 574 escolas e substituição de 300 estruturas de taipa por alvenaria, o programa Escola Digna prevê a assistência técnico-pedagógica aos municípios, incentivos que já demonstraram seus primeiros resultados no estado.

De acordo com dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) em janeiro deste ano, o comparativo entre os pontos do Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) registrados para o Maranhão no ano de 2015 – primeiro ano de desenvolvimento do Escola Digna – e no de 2013 apresentou crescimento. A marca que era de 2,8 em 2013 passou para 3,1 em 2015.

Em todo o programa de reestruturação da educação no Maranhão, já foram investidos mais de R$ 800 milhões nos últimos dois anos. Entre as melhorias, estão a ampliação da rede de escolas de educação em tempo integral e a valorização dos professores.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.