Governo do Maranhão

Governo do Maranhão
Envie informações,denúncias para: vauney-10@hotmail.com ,(99) 9 8137 5569 / 91793374 ou 8416 7976, sua informação será analisada e depois poderá se tornar matéria.

quarta-feira, 31 de maio de 2017

Secretaria de Segurança divulga nomes dos PMs suspeitos de matar colegas em Buriticupu



tenente Josuel, soldados Tiago e Glaydstone

Foram divulgados, na sede da Secretaria de Estado da Segurança Pública, nesta quarta-feira (31), os nomes dos três PMs suspeitos de participar do assassinato do cabo 
Júlio César da Luz Pereiras e do soldado Carlos Alberto Constantino, que desapareceram no dia 17 de novembro de 2016, em Buriticupu (veja).

Atendendo um pedido da delegada que investiga o caso, Nilmar da Gama Rocha, a Justiça Militar decretou a prisão dos policias militares: tenente Josuel Alves de Aguiar e dos
soldados Tiago Viana Gonçalves e Glaydstone de Sousa Alves. Os dois primeiros, que foram presos na última terça, estão no Presídio Militar, que fica dentro da sede do Comando Geral da Polícia Militar.

O PM Glaydstone se encontra foragido.


Durante entrevista, o secretário de Segurança do Estado, Jefferson Portela, afirmou que os policias mortos estavam sendo investigados pelo crime de extorsão.

Os policiais desaparecidos estavam sendo investigados anteriormente pela Superintendência Estadual de Investigações Criminais (SEIC) por conta de envolvimento em crimes outros. Com antecedentes e depois ocasionando no desaparecimento dos mesmos. Eles são suspeitos por desvio de conduta com práticas de crimes com associação criminosa. O desaparecimento deles, nada tem a ver com as ações lícitas da atividade policial´´, afirmou Portela.

Responsável pela investigação do caso, o titular da Superintendência de Homicídio e Proteção à Pessoa (SHPP), delegado Leonardo Diniz, explicou que a “a investigação continua no sentido que o soldado Glaydstone de Sousa Alves se apresente até 05 dias. Caso contrário, ele será considerado desertor

As investigações apontaram ainda, sobre o caso que uma pessoa conhecida por “Dal”,teria sido procurado para acompanhar os policiais, mas que no momento marcado, teria sido descartado. No outro dia, o Dal teria sido descartado pelos policias, quando fora saber acerca de qual missão seria. Durante as investigações, mais de 40 pessoas foram ouvidas. Os policiais presos por envolvimento no crime são apenas uma parte dos trabalhos. A prisão temporária fora pedida para uma investigação continue”, explicou.

policias desaparecidos

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.