sábado, 10 de fevereiro de 2018

Impasse entre servidores da Educação e Prefeitura de Lago da Pedra continua



prefeito Laércio Arruda


Lago da Pedra caminha para uma crise na educação municipal como já mais vista antes. Embasada em um parecer técnico emitido pelo Ministério Público, a Semed quer aumentar a carga horária do professor, passando de 13h para 16 horas/aula semanais.

Na última quinta-feira (8) aconteceu uma audiência pública no auditório da Prefeitura. Marcaram presença o prefeito, Laércio Arruda, o vice-prefeito e secretário de Educação, Rodrigo Neto, coordenador do Sinproesemma (núcleo local),Valdielson Moura, assessores jurídicos, e financeiros do Município, alguns vereadores, além dos profissionais da educação.

Abriu-se uma discussão em torno da questão de pagamento dos proventos, mudança de classe, licença-prêmio, terço de férias, reajuste do piso, carga horária, além de outros itens. Na oportunidade, as partes fizeram suas alegações e questionamentos.

O secretário de Educação garantiu que, logo caia dinheiro na conta, o que está previsto para acontecer no dia 11 deste mês, pagará o terço de férias. Assim, também, como garantiu que o Município pagará o piso salarial ( não determinando o mês).

 No entanto, a categoria saiu insatisfeita do encontro, não chegaram a um acordo referente a carga horária, polêmica que deve render. Na manhã desta sábado (10) os profissionais que estão coordenando a campanha, que está sendo chamando de ´´Combate a Ditadura``, se reuniram na Câmara de Vereadores para planejar uma mobilização.

A categoria, já avisou que não vai recuar,  para que seja garantido o que está em lei. Os profissionais vão fazer um ´´auê``(motos) pelas ruas e avenidas da cidade, vestidos com camisetas da campanha, munidos de cartazes e faixas que serão fixadas em pontos estratégicos.

O prefeito, Laércio Arruda, falou da situação de muitas pessoas que ficaram chateadas com o Governo após ajuste na folha de pagamento e, por conta disso, vários servidores acabaram sendo exonerados, ´´ ou eu visto a camisa da administração ou da política. O recurso, que hoje estamos recebendo, não dá mais para fazer as duas coisas [...] A gente é obrigado a cortar gastos``, ponderou.

´´Planilha técnica ( gastos no exercício de 2017) sem nenhuma assinatura é muito fácil de ser feita, de ser exposta. Eu quero ver realmente é a prestação de contas[...]`` disse o coordenador do Sinproesemma, Valdielson, que pediu ao secretário que encaminhasse às escolas um Ofício com a Lei que obriga o aumento da carga horária. ´´Eu conheço parecer técnico do CNE. Eu conheço do Ministério Público. Mas eu quero é leis, documentos específicos. É isso que queremos``, continuou.

´´Nós nunca queremos, o Laércio nunca falou isso pra mim, também nunca pedi para tirar o direito do trabalhador, temos feito uma gestão séria, na responsabilidade. É isso que estamos fazendo. Todo o recurso que caiu no Fundeb nós investimos na educação. Investimos na folha de pagamento``, afirmou o secretário de Educação, Rodrigo Neto.



Coordenador do Sinproesemma, Valdielson

secretário de Educação, Rodrigo Neto



Professora Coritânia

                                                       

5 comentários:

  1. O tempo da escravidão passou .. Se o vice prefeito recebe dois salarioss(um vice pregpref, outro de secresecre) entao porque um professor não pode ter umusalario digno para não morrer de fome ? Nada contra mas vamos melhomel esse salarios do professor esse

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na prática, ele só pode receber uma das remunerações. Obviamente se escolhe a maior. (Não estou defendendo, só comentando)

      Excluir
  2. O engraçado é que antes não era ssim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Antes a fiscalização não batia na porta rsrsr

      Excluir
  3. Até onde sei professores contratados nem deveriam existir, tudo deveria ser via concurso público. Depois os gestores aproveitam pra fazer essas loucuras com os concursados, depois de se ferrarem devido as falcatruas. Não venham com essa conversa ridícula de que é pra ajudar.

    ResponderExcluir

Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.